O que é o Consciência Social?

É um blogue que convida todos à aberta discussão de temas relevantes para o desenvolvimento pessoal e de maior consciência social. Encontre temas ligados ao ambiente, práticas ecológicas, soluções de sustentabilidade, espiritualidade, iniciativas sociais e muitas novas ideias! Comenta! Partilha!

quinta-feira, dezembro 20, 2007

BOM NATAL


sexta-feira, dezembro 07, 2007

Introdução à meditação


Workshop de introdução à meditação budista com Margarida Cardoso
Data: Sexta-feira 7 de Dezembro, às 19h
Local: UBP Rua da Restauração, 463, 2.º
Contribuição: livre

segunda-feira, dezembro 03, 2007

Oficina de prendas de Natal... recicladas

Na sequência das Conversas da Terra decidimos continuar a conversa... com oficinas que aprofundassem alguns temas em particular. Para aproveitar esta época natalícia de consumo desenfreado, decidimos fazer uma oficina de prendas de natal... recicladas. Portanto apareçam com deias, materiais potencialemtne recicláveis... ou só apareçam

Local: UBP Porto Rua da Restauração, 463, 2.º
Data: domingo dia 25 de Novembro, das 15h às 18h

quarta-feira, novembro 28, 2007

Fukuoka e a revolução da agricultura e de todo um estilo de vida

40 Years of Natural Farming - Fukuoka

Masanobu Fukuoka, with his grizzled white beard, subdued voice, and traditional Oriental working clothes, may not seem like an apt prototype of a successful innovative farmer. Nor does it, at first glance, appear possible that his rice fields—riotous jungles of tangled weeds, clover, and grain—are among the most productive pieces of land in Japan. But that's all part of the paradox that surrounds this man and his method of natural farming.

Using practices that some people might consider backward (or even foolish!). His acres consistently produce harvests that equal or surpass those of his neighbors who use labor-intensive, chemical-dependent methods. Fukuoka's system of farming is amazing not only for its yields, but also for the fact that he has not plowed his fields for more than 30 years! Nor does he use prepared fertilizer—not even compost—on his land, or weed his rows, or flood his rice paddies.

Fukuoka's agricultural approach is simplicity itself.

For more information please read these interviews:
http://www.motherearthnews.com/DIY/1982-07-01/The-Plowboy-Interview-Masanobu-Fukuoka.aspx
http://www.context.org/ICLIB/IC14/Fukuoka.htm
http://www.lifepositive.com/body/nature/fukuoka-organicfarming.asp

He says: "If a single new bud is snipped off a fruit tree with a pair of scissors, that may bring about a disorder which cannot be undone…Human beings with their tampering do something wrong, leave the damage unrepaired, and when the adverse results accumulate, work with all their might to correct them."

Histórias pessoais para um mundo melhor

Also check this excelent collection of personal stories and articles:
http://www.context.org/ICLIB/backi.htm

Lots of advices, reflexions and assays on environmental, poetic, sustainable, humanistic, comic and happy, ways of living. A must see

sábado, novembro 24, 2007

¡NO ME LLAMES EXTRANJERO!

No me llames extranjero,
porque haya nacido lejos,
o porque tenga otro nombre
la tierra de donde vengo.

No me llames extranjero,
porque fue distinto el seno,
o porque acunó mi infancia
otro idioma de los cuentos.

No me llames extranjero
si en el amor de una madre,
tuvimos la misma luz,
en el canto y en el beso,
con que nos sueñan iguales
las madres contra su pecho.

No me llames extranjero,
ni pienses de dónde vengo,
mejor saber dónde vamos,
adónde nos lleva el tiempo.

No me llames extranjero,
porque tu pan y tu fuego,
calman mi hambre y mi frío,
y me cobija tu techo.

No me llames extranjero,
tu trigo es como mi trigo,
tu mano como la mía,
tu fuego como mi fuego
y el hambre no avisa nunca,
vive cambiando de dueño.

Y me llamas extranjero…
porque me trajo un camino,
porque nací en otro pueblo,
porque conozco otros mares
y zarpé un día de otro puerto,
si siempre quedan iguales
en el adiós los pañuelos
y las pupilas borrosas
de los que dejamos lejos.

Los amigos que nos nombran
y son iguales los rezos
y el amor de la que sueña
con el día del regreso.

Traemos el mismo grito,
el mismo cansancio viejo
que viene arrastrando el hombre
desde el fondo de los tiempos,
cuando no existían fronteras,
antes que vinieran ellos…
Los que dividen y matan,
los que roban,
los que mienten,
los que venden nuestros sueños,
los que inventaron un día esta palabra…
¡¡¡ “extranjero” !!!

No me llames extranjero
que es una palabra triste,
que es una palabra helada
huele a olvido y a destierro.

No me llames extranjero
mira tu niño y el mío
cómo corren de la mano
hasta el final del sendero.

No los llames extranjeros,
ellos no saben de idiomas,
de límites ni banderas,
míralos se van al cielo
con una risa paloma,
que los reúne en el vuelo.

No me llames extranjero
piensa en tu hermano y el mío,
el cuerpo lleno de balas besando de muerte el suelo.

Ellos no eran extranjeros,
se conocían de siempre;
por la libertad eterna,
igual de libres murieron.

¡¡¡No me llames extranjero!!!
Mírame bien a los ojos,
mucho más allá del odio,
del egoísmo y el miedo
¡¡¡No puedo ser extranjero!!!
¡Y verás que soy un hombre!

Canción-poema de Rafael Amor

quinta-feira, novembro 22, 2007

Some positive thoughts

We are spiritual beings dwelling in a material and physical world. Shall we not forget this. So, we came to a culture where spiritual ideas are indeed put aside in favor of thoughts of funtionality, economics, sociolization, doing what is expected and caring for our material survival.
In fact, we will die in a few years or decades, and we shall take nothing. Only memories of those 'spiritual' and good simple things. Take care with this then.

There is no need to control another or other, even if we think it is for their good.
There is no need to implant over other ideas or intentions.
Our spiritual work is upon the self. To best express our self, a inner work.

Our personality (not our inner essence) is a shell of psychological material. Of often rather diverse and contraditory material, stuff, talents and desires.
Shall we laught at that!
Shall we take it lightly!
Shall we take acceptance on that, over the same contradictions of others, and bless and have love and compassion foe that, on ourselves and on others.

It is a rather important spiritual work, to simply meditate and to spread prayers or simply thoughts of peace for our entire Earth.
For although, we may think at first nothing is really working (since there is still a terribly amount of conflit and problems) shall we notice two important things:
First people are nowadays, as never before, brining light to face these problems (that were previously hidden. We have the examples of power and money schemes corrupting people and governments, the issues of freedom and equality, the issues of world peace and abundance and the environmental cause. Second, we are seeing now, as never before, a grassroot awakening of people to the themes of inner things and caring for earth and mankind, that is slowly gaining strenght, hiddenly, amongst our populations, in every country of the world! Notice that.

We shall remember that, currently, nearly every government and big enterprises, are rules by self-serving interests. These are self-serving needs that our ape ancestors followed and plenty of humans still seek. It is that tribal thinking, for solely caring for our families or nations that takes us to ruin.
These people gain a unceasing thirst for possessions, money and power.
Shall we not become overly concerned with this. It is intended to be so.
Earth is a leaning-school planet.
May we assist with inner peace and bless those. And when possible assist them in changing behaviours.
Shall we rest with these thoughts, as empires rise and fall, along the unstopable spiritual evolution.

If we shall take consciousness of our inner desires, aspirations, gifts, graces and fruits, then is a lifetime of worth.
If we shall take these and put them forth it is still a lifetime of tremendous worth. It is a task well worth of a lifetime of service and sense.

If we choose to culture the higher values of equality, fraternity, and stewardship of people, ideals and the land around us, shall we look not far, but to our local situations and city/village.
There are those needy, hungry, childreen to care, old people to live in dignity and happiness their last days, and a lot of land and forest to be cared for.
Shall we do these services in blessing devotion, with all our entire hearts and souls. Even if it is a simple smal thing. We may teach a lot and show other a way better.

It takes a great commitment to love another one, in a love relationship.
Shall we be asked to love the other, our mate or companion, without any judgment.
To find all the compassion, love dearly, humbly and completely, with no judgment.
Love works in our understanding, encouragment of others.

And if anything may fail or falter, shall we take things lighty, and start all over again over a new day, without any judgment or concern.
A new day is always a new day of creations and hopes.
For those alone, laughter is a excelent remedy and seeking companionship a good solution.

A word about our future. Things will probably change strinkinly in the next decades. Our personal choices and stuff is far more important we have ever realized. Everything will be just well even if it is so dificult for us to get aware of that. Gradually, population will change and get concerned much with changing the things of a more global nature, such as cleaning the soils, the waters, the air, restoring our natural enviroments and finding to live in such a way that we may become aware we are indeed all fantastic creators of a lovely magical world, and part of it.

sexta-feira, novembro 16, 2007

The falling of Creative Class*

"Primeiro levaram os negros
Mas não me importei com isso
Eu não era negro

Em seguida levaram alguns operários
Mas não me importei com isso
Eu também não era operário

Depois prenderam os miseráveis
Mas não me importei com isso
Porque eu não sou miserável

Depois agarraram uns desempregados
Mas como tenho o meu emprego
Também não me importei

Agora estão me levando
Mas já é tarde.
Como eu não me importei com ninguém
Ninguém se importa comigo."

Bertold Brecht

Relembro este 'velho' poema que percorreu a minha juventude, e admiro a sua contemporaneidade. Volto ainda a relembrar um artigo que publiquei aqui á precisamente um ano atrás - Capital Cultural - e que reflecte sobre o valor gerado pela "Classe Criativa" para a economia europeia. Faço a ponte com um estudo, "Europe in the Creative Age", publicado em 2004, de Richard Florida, autor de "The Rise of the Creative Class, e fundador do "Creative Class Group".
Este é o momento para tomar posição e acabar com o silenciamento de algumas "verdades inconvenientes". Não o faço porque temo que me 'levem' a mim (isso está a acontecer neste momento), mas porque acredito que é absolutamente uma questão moral e ética falar sobre a realidade de milhares de 'criadores' que vivem hoje na mais pura das misérias, integrando o corpo de desempregados, precários e pobres que perfazem já mais de 20% da população portuguesa. Não faço ideia da dimensão europeia do problema, mas acredito que andará por valores próximos (embora mais baixos do que os portugueses).
Inspiram-me os monges budistas da Birmânia, que decidiram não calar mais a sua consciência, que tiveram a nobreza e a coragem de saírem à rua denunciando (mundialmente) a imoralidade, a ditadura, a opressão, a miséria e a fome em vive o povo do seu país.
Acredito que esta é uma questão moral, porque creio que não pode ser admissível que aqueles que estão entre os que mais contribuem para a 'riqueza' da Europa, sejam precisamente aqueles que estão entre os mais sacrificados (ninguém deve ser sacrificado).
Há um ano atrás era capa do jornal Público - "CULTURA COM MAIS PESO NA ECONOMIA EUROPEIA DO QUE SECTOR AUTOMÓVEL". Fiquei estúpido na altura! Foi necessário que, um conceituado economista europeu, contratado pela comissão europeia
(segundo o artigo publicado), conclui-se que o sector da Cultura contribuia mais para o PIB europeu, que uma das mais poluentes e destruidoras industrias do planeta (a automóvel, e todas aquelas a si associadas, como a do petróleo), para esta questão, do valor da Cultura, viesse á luz do dia. Hoje, com as questões das alterações climáticas a entrarem-nos todos os dias pelas nossas vidas adentro - já não se tratam apenas de previsões, ou estudos, mas da realidade indesmentível, de secas, cheias, tufões, subidas do nível do mar, temperaturas e fenómenos metereológicos anómalos - é mais do que indispensável actuar; é necessário mudar de paradigma! Porque esta é absolutamente uma questão de sobrevivência do Planeta!
Olho em volta e vejo como, uma "classe" que tanto contribui para o desenvolvimento humano - de artistas, criadores, escritores, investigadores, professores, actores, pensadores (e tantos outros que criam cultura) - está sendo cada vez mais arredada de um dos direitos humanos mais elementares: o direito ao trabalho em condições dignas e respeitadoras da sua inteireza enquanto Ser.
Recorro ao estudo de Richard Florida, só para citar alguns dados, referindo que Portugal foi considerado o país mais atrasado nesse campo (o do crescimento da 'Classe Criativa' na Europa). Mas mais do que isso, é também interessante mencionar que o país mais bem colocado é a Suécia, na maioria dos índices estudados - tolerância, criatividade e crescimento económico - colocando-se mesmo, este país, á frente do EUA (o que não é nada de admirar...).
Isto faz-me pensar, que, ou valorizamos pouco o capital criativo e toda a riqueza gerada por este sector, ou estamos cegos e não queremos ver, ou simplesmente estamos alheados de toda esta realidade, e não aprendemos nada, com os nossos parceiros suecos.
Não consigo calar a minha indignação perante o sofrimento que vejo (e sinto) todos os dias à minha volta. Sinto que somos muitos milhões de seres, com capacidade, talento, criatividade, inteligência, arte e engenho, que podemos contribuir para o desenvolvimento deste País, e desta Comunidade Europeia, e estamos sendo arredados da possibilidade de o fazer. Aqueles que de nós, já o fizeram durante mais de uma década, ajudando e contribuindo para a prosperidade de marcas, produtos, serviços, empresas, que demos muito à economia do nosso país, acabámos por ser 'expurgados', de uma ou de outra forma, muitas das vezes, simplesmente, por discordamos do modelo vigente (o mesmo que está agora mesmo mostrando as suas consequências, através da destruição ambiental do planeta!). Marginalizados pelo sistema, somos empurrados para a margem da sociedade. Já somos demasiado velhos (com 38 anos!!!) para continuar a servir os interesses económicos (selvagens) que dominam toda a economia e somos ainda demasiado novos para nos reformarmos. Aliás não conheço ninguém que o queira! Queremos poder trabalhar e continuar contribuindo para o desenvolvimento (sustentável) do nosso país! Queremos poder colocar o nosso talento ao serviço do bem-comum, da justiça económica, social e ambiental! Queremos e merecemos ser respeitados pelo valor que produzimos, pelo capital que ajudamos a criar. Queremos uma distribuição justa e equitativa dos dividendos do nosso trabalho criativo, e queremos que esse valor seja repartido por todos aqueles que estão sofrendo com a fome e as condições sociais desumanas! Queremos poder contribuir para um planeta mais sustentável, para uma Europa criativa e criadora de bem-estar para todos.
É imoral que este país seja governado por engenheiros, gestores, economistas
(com todo o respeito por estes profissionais), especuladores financeiros, 'figuras públicas', burocratas (com menos consideração por estes últimos), que sugam a energia criadora de todo um povo, que lhes levam toda a sua energia, que lhes roubam a alma! Não é moral, por exemplo, que no nosso país, que uns que 'roubam' milhões de euros (uns 12, outros mais, alguns menos), sejam não só perdoados como até abençoados; enquanto que por outro lado aqueles que contribuem para o desenvolvimento de um mundo mais aberto, mais tolerante, mais criativo, mais próspero para todos, são tratados muitas vezes como criminosos, porque deixaram de conseguir cumprir com as suas obrigações mais elementares, para com a casa, a educação, a alimentação, (já não nem falo da exclusão cultural!), às vezes com perseguições 'caricatas' por dívidas de (uns míseros) 400 euros ao banco!
É imoral que a "classe" criativa (assim como de muitos e muitos milhões de concidadãos de outras 'classes' desfavorecidas) estejam a ser empurrados para o 'esgoto', enquanto os multimilionários, ajudados pelas classes dirigentes de políticos sem escrúpulos, exibem vergonhosamente a sua riqueza nos media que eles próprios financiam.
Perante esta realidade, pergunto: o que fazemos? Ficamos calados, deixamos de assumir com a nossa consciência uma posição clara? Ou tomamos posição e passamos á acção? Deixo a pergunta, para que possamos reflectir e agir juntos. Antes que nos levem de vez!
Porque a queda da classe criativa, é a queda de toda a cultura democrática, acessível a todos, partilhada por todos, e que contribui para, muito mais do que o crescimento económico: contribui para a liberdade, a diversidade e a riqueza espiritual de um povo.

Voltarei ao tema, porque o tema, é a minha própria vida, e convoco todos os criadores, a tomarem posição, a não calarem o que sentem, porque um dia, pode ser tarde de mais, e quando dermos conta, seremos mais do que uma "classe" em queda, seremos prisioneiros de um qualquer regime "saudosista" que regresse das brumas do nevoeiro em que vivemos todos os dias...


*A queda da 'Classe Criativa'. Titulo inspirado em "The raise of the Creative Class" (a ascensão da 'Classe Criativa')

Publicado em simultâneo no blog: http://semearcriatividade.blogspot.com

sexta-feira, novembro 09, 2007

Novas fotos no cantinho-verde

Prometo, em breve, postar algo mais filosófico, sobre o sentido em que as nossas vidas podem melhorar para reconhecermos verdades maiores e vivermos uma vida mais natural, harmonia e cheia de amor e coração

Para já, e antes de postar, alguns pensamentos mais espirituosos e outros mais ecológicos, deixo-vos as novas fotos que podem ver no meu blogue sobre o cultivo que tenho feito de vegetais e ervas medicinais na minha varanda em Braga.


Alfaces e alhos, um dos cerca de cinquenta vasos que cultivo
Qualquer dica que precisem, é só perguntar

quarta-feira, outubro 17, 2007

Yoga com Todos - dia 21 de Outubro em Coimbra



Olá amigos,

Aqui estamos uma vez mais para um novo encontro do Yoga com Todos.

Desta vez aceitamos o convite do amigo Rui para praticar no bonito Parque Verde, bem junto ao rio Mondego, em Coimbra.

Estão todos convidados a participar. Como de costume, a experiência ou não nesta prática, não é motivo para não participar. Venha passar um domingo diferente e traga as crianças e amigos também.

O encontro é às 10h00 no Parque Verde. Evite os atrasos...

Não se esqueça de trazer um tapete de prática ,ou manta, e boa disposição para partilhar.

Se for do Porto e tiver boleia para oferecer, escreva por favor para o e-mail:




Até lá,

Abraço amigo
Lécio

sexta-feira, setembro 28, 2007

Birmânia


choro ...
sei que tudo muda, mas parece difícil acreditar na mudança mundial à vista disto

choro e espero que as minhas lágrimas se unam ao sofrimento de todos os que sofrem
... que se fundam num caudal de compaixão capaz de derrubar os obstáculos e véus de ignorância

quinta-feira, setembro 20, 2007

ignorância


Imagina que vais por um passeio cheio de sacos de compras e alguém esbarra contigo, de forma que cais e as compras ficam espalhadas pelo chão. Quando te levantas, estás pronto a disparar: "Que imbecil! Que se passa consigo? Está cego?" Mas antes de recuperar o fôlego para respirar, notas que a pessoa que esbarrou contigo é realmente cega. Também está caída no chão com toda mercearia à volta e a tua raiva desvanece-se num instante, para ser substituída por uma preocupação genuína: “Está magoado? Posso ajudar?”
A nossa situação é exactamente esta. Quando vemos claramente que a fonte de desarmonia e infelicidade no mundo é a ignorância, podemos abrir a porta da sabedoria e da compaixão.
E aí estamos prontos a curar-nos e a curar os outros.
B. Alan Wallace

quarta-feira, setembro 12, 2007

Dalai Lama


Sua Santidade o Dalai Lama está em Portugal.

O mundo espiritual e natural

meus caros amigos,

descobri e experienciei uma das coisas mais simples do mundoaquilo que todos chamamos de amor universal, luz ou simplesmente o amor que nos rodeia a todos e a tudo

experimentem o seguinte. numa altura em que estiverem mesmo calmos, como eu estive hoje às sete da manhã, e saem de casa, para uma zona calma e com alguma natureza, nem que seja umas árvores e baldios ou jardins
caminhem e sintam esse mundo. sintam a paz e a harmonia que ele irradia. o amor que circula por ele. e depois sintam o mundo citadino a despertar, com as suas preocupações mas também com os seus resquícios de amor e paz.
sintam que o significado de muito do que se disse a nível espiritual é tão simples quanto isto: é ser no nosso mundo, o que já existe há milhões de anos no mundo ambiental e natural.
isso sim, é profundamente espiritual e poderá fazer fluir o amor de todos nós para todos
nós, de uns para os outros

tenham um bom dia *

terça-feira, setembro 11, 2007

O encontro do Yoga com Todos



Olá a todos

Aqui está o encontro do Yoga com Todos, realizado no Palácio de Cristal.

Abraço amigo
Lécio

quinta-feira, setembro 06, 2007

RETIRO BUDISTA


A quem quisesse conhecer Buda foi uma vez dito que compreendesse os ensinamentos. Este retiro propõe que esse conhecimento seja travado através da prática, no contacto com a natureza. O programa inclui meditação, palestras, yoga e tempo para passear.
Orientação: Sagarapriya é praticante do budismo há dezassete anos.
Onde: Jampaias, uma herdade no BaixoAlentejo http://www.jampaias.com/
Inscrições:Sagara yogaemeditacao@fastmail.fm

sexta-feira, agosto 31, 2007

A doença sob o ponto de vista espiritual, exemplos

Naturalmente por falta de espaço, nao irei entrar em detalhes.
Cada um de nós pode analisar uma doença ou problema corporal sob o ponto da medicina convencional.
Nao vejo qualquer problema ainda que ache que por vezes as estratégias falhem ou sejam menos saudaveis.

Alternativamente, poderias como eu tentar medicinas naturais. Por experiencia propria funcionam bem.

Ou ainda mais longe, poderemos ver cada problema com uma causa espiritual ou psicosomática (nao interessa o que chamemos).

Deixo alguns pensamentos...
(seguindo a lógica oriental dos chakras, a um nível muito mais aprofundado..)
Uma dor de barriga corresponderá a uma perturbaçao emocional que exige cura ou equilibrio
Uma queda um obstáculo no caminho de vida
Um cancro seria um alerta sério de suicidio inconsciente da vida, por termos desistido duma situaçao.

Mas naturalmente, continuo a reafirmar, existem as outras causas bioquimicas, ambientais, habitos, etc, que muitos de nós conhecemos.

Em breve poderei escrever sobre mais destes exemplos

Um dia-a-dia meditativo

Recentemente uma mudança que considero muito positiva, tem ocorrido em mim.
Tenho, talvez por ausencia do trabalho (férias) vivido o dia-a-dia de um modo bastante intuitivo e fluente.
Caminho nos acontecimentos e nos momentos em paz e serenidade, sentindo em vários momentos, sobre o que esse momento me traz ou me "tenta dizer".
Sim, é uma espécie de intuiçao.

Funciona e por vezes nos traz momentos verdadeiramente fantasticos e inspiradores.

Certos sinais estao lá, encondidos, à espera de os escutarmos ou vermos.

A escolha de pensarmos mais positivo

Todos os dias ouço negatividades, e vejo-as na televisao, mesmo menos frequentemente do que outras pessoas, ainda caío na "armadilha" de poder ser programado pela informaçao do medo, em certos dias que nao estou tao atento.
Decerto é mais sensato e saudavel desligarmos a televisao. Ignorar o jornal sensacionalista e rir umas gargalhadas do que faço na vida, do sol que apanho, ar que respiro e as belas coisas que faço e partilho com amigos.
E assim dou força e animo e, sobretudo foco e importancia, às coisas positivas, que nao me fazem - como as outras da TV - adormecer-me e preocupar-me e inundar-me de desarmonia.
Sobretudo sou feliz assim e parece-me que quem desliga a televisao também o parece.
Mas claro nao deixo de ver uma boa série como a Earl da RTP2 ou alguns documentários.

Acreditem ou nao, pelo menos estou a manifestar um futuro positivo, nas coisas que *realmente* queremos ver no mundo; como emprego em vez de desemprego, harmonia em vez de desarmonia, se bem me entendem.
Dou os parabéns a todos por ainda postarem muita coisa de positivo....
E peço-vos desculpa se ainda esporadicamente possa postar algo crítico aqui e depois me retrate no que escrevi de negativo!

Nao é fecharmos os olhos. É desviarmos os olhos para aquilo que realmente nos é mais belo. É nao adormecermos e nos distrairmos com essas distraçoes/medos dos media.
É quase um dia-a-dia meditativo.

Tenham um bom dia e fim de semana
Amanha ou depois postarei sobre meditaçao e intuiçao, e o quanto nos pode ajudar.

quinta-feira, agosto 23, 2007

Paz em acção

http://zen-pt.blogspot.com/2007/08/paz-em-aco.html

Small is beautiful

"(O economista actual) está habituado a medir a 'qualidade de vida' pela quantidade de consumo anual, assumindo sempre que uma pessoa que consome mais vive melhor do que uma pessoa que consome menos. Um economista budista consideraria esta abordagem excessivamente irracional: já que o consumo é apenas um meio para atingir o bem estar humano, o objectivo deveria ser o de obter o máximo de bem-estar com o mínimo de consumo. ... Quanto menos labuta houver, mais tempo e energia sobra para a criatividade artística. A economia moderna, por outro lado, considera o consumo como o único fim e objectivo de toda a actividade económica. "

" É claro, portanto, que uma economia budista deve ser bastante diferente da economia do materialismo moderno, já que o budista vê a essência da civilização, não na multiplicação das necessidades, mas na purificação do caracter humano. O carácter, por sua vez, é formado primariamente pelo trabalho do homem. E o trabalho, conduzido de forma apropriada em condições de dignidade e liberdade humanas, abençoa aqueles que o fazem e igualmente os seus produtos."

"Máquinas cada vez maiores, implicando concentrações cada vez maiores de poder económico, e exercendo violência crescente sobre o ambiente, não representam progresso: eles são uma negação da sabedoria. Sabedoria exige uma nova orientação da ciência e da tecnologia na direcção do orgânico, do suave, do não violento, do elegante e do belo."

E.F. Schumacher, 1973, Small is beautiful

Schumacher escreveu o seu famoso Small is beautiful em 1973, quando aparentemente ainda pouca gente estava farta do consumismo e os problemas ambientais eram muito menos visíveis do que hoje. Defendia um mundo (produtivo e económico) construído à escala humana, como a única forma de tornar esse mundo ecologica e humanamente sustentável.

E a descoberta do dia: o livro está disponível gratuitamente on-line aqui

quinta-feira, agosto 09, 2007

A Profecia Celestina

A Profecia Celestina
de James Redfield

A quem ressoar no coração, deixo aqui estas visões...


As nove revelações do actual presente e futuro próximo

1
Uma Massa Crítica
Está a registar-se um novo despertar (espiritual) na humanidade. Um despertar produzido por uma massa crítica de indivíduos que vivem as suas vidas como uma revelação espiritual, uma viagem levada e marcada por misteriosas coincidências

2
Uma nova época

Inicia-se uma nova fase, que substitui gradualmente a última, dos últimos quinhentos anos, que tinha a ver com a sobrevivência temporal e o conforto material. Esta preocupação tecnológica, embora importante, está a mudar para uma em que nos desperta para o nosso propósito aqui no planeta

3
Uma questão de energia

Percebemos que vivemos num universo de energia dinâmica em vez da visão mais material. Agora aoercebemo-nos que para onde levámos a nossa atenção, fluí a energia, e consequemente a sua manifestação, aumentando assim o ritmo das coincidência e significados na nossa vida.

4
A luta pelo poder
Os seres humanos desligam-se muitas vezes da maior fonte de energia existente, a universal, a do nosso interior. E assim adquirimos as tendências a manipular ou obrigar os outros a dar-nos essa energia. É a causa dos conflitos actuais.
A solução está em nos ligarmos novamente a essa fonte de energia primordial.

5
A mensagem dos místicos

A insegurança e outras emoções negativas acabam quando efectuámos essa ligação interior. É uma sensação de leveza e profundo amor, descrita pelos místicos.

6
Esclarecer o passado
Quando permanecemos ligados, teremos consciência das alturas em que não estavámos e vivíamos com stress e com problemas. Assim, com o passar dos tempos, a nossa ligação torna-se mais constante e podemos assim descobrir pistas para levarmos em frente mais o nosso crescimento na vida e propósito espiritual.
Mudanças nas nossas vidas deverão ocorrer ao longo deste novo despertar (relações, escolhas, sentido de vida, vida profissional...).

7
Entrar no fluxo

Conhecer a nossa missão pessoal aumenta ainda mais o fluxo de coincidências misteriosas.
Primeiro surge uma pergunta, depois respostas em sonhos, intuições, visões e que nos conduzem às respostas, que podem ser dadas sincronisticamente por outros seres humanos.

8
Ética interpessoal
A melhor forma é ajudando a outra pessoa que nos aparece na vida a elevar-se também.
Tal é feito com amor e mantendo a nossa ligação interior.
É preciso manter o cuidado e não perder essa ligação nas relações românticas.
O trabalho em grupos é outra forma de poderoso crescimento, em que cada membro pode sentir a energia dos outros.
Acabámos por conseguir ver assim beleza em todos os rostos, do seu eu mais sábio, e ouvir a mensagem por detrás dessas situações.

9
A nova cultura emergente

Nos próximos quinhentos anos, as revelações anteriores vividas interiormente por um número crescente de seres humanos dará origem a profundas mudanças no planeta e na nossa sociedade.
A primeira grande mudança consiste em compreendermos que evoluímos espiritualmente.
Virá informação à escala global e uma intensa introspecção e variadas mudanças.
Começaremos a proteger, aumentar e venerar os espaços naturais do planeta e não toleraremos actividades que ponham esses tesouros em risco.
Criaremos soluções ambientais e sociais, utilizando as fontes naturais de energia.
A população tenderá a viver mais próxima da natureza e os centros urbanos serão de tecnologia verde.
Limitaremos voluntariamente a nossa reprodução e compreenderemos que o dinheiro é outra forma de energia, até gradualmente deixarmos de precisar de moeda de troca.
Os meios tecnológicos de sobrevivência completamente automatizados levarão a que os seres humanos se possam dedicar aos propósitos espirituais e humanitários durante mais tempo.
No fim, a fronteira entre o mundo físico e o mundo espiritual serão mínimas e uma verdadeira transcendência global ocorrerá.

terça-feira, julho 31, 2007

www.ecotopiagathering.org


Estás convidad@ para o Ecotopia 2007 – Migrações

Este ano o Ecotopia decorrerá entre 4 e 19 de Agosto em Aljezur, Portugal.

[O que é o Ecotopia?]
O Ecotopia é um acampamento anual de activistas de toda a Europa e um encontro aberto a todas as pessoas interessadas em questões ambientais e de justiça social. O Ecotopia acontece todos os anos desde 1989, sempre num país diferente. É organizado pela EYFA (Juventude Europeia pela Acção) e por uma ou várias associações ambientais do país, que funcionam como organização que acolhe o evento. Neste ano, a 19ª edição irá decorrer em Portugal, promovida pelo GAIA (Grupo de Acção e Intervenção Ambiental).

O Ecotopia é um local de aprendizagem, partilha de experiências e difusão de informação sobre questões ambientais, sociais e políticas, entre outras. Entre 200 e 600 pessoas participam em cada edição do Ecotopia, para partilharem conhecimentos e discutirem sobre um amplo leque de assuntos, tais como: alterações climáticas, transportes e mobilidade, transgénicos, agricultura biológica, construção ecológica e infraestruturas sustentáveis, política e sistema económico global, estratégias para acções, experiências de campanhas, medias alternativos, migrações, racismo e xenofobia, questões culturais, etc.

[Tema deste ano: ”Migrações”]
Todos os anos o Ecotopia tem um tema principal diferente, ainda que seja muito ampla a qualidade de temas abrangidos. O tema escolhido este ano é as migrações, que terão especial relevância nos dias 10, 11 e 12 de Agosto.

Durante estes 3 dias haverá espaço para discutir realidades como a “Fortaleza Europa”, refugiados, fronteiras, ilegalidade, racismo, assim como as causas e efeitos do êxodo rural e urbano e do aumento global de refugiados ambientais. Tudo sob uma perspectiva de justiça social e ambiental, partilhando experiências na luta por um mundo mais justo.

[Comunidade]

O Ecotopia tem uma estrutura horizontal (não-hierárquica) e auto-organizada; a tod@s é pedido que tomem parte no funcionamento do campo, resolvendo problemas e tomando decisões. E tod@s são responsáveis pelo programa!

O Ecotopia é igualmente um modelo funcional de comunidade auto-sustentável que coloca em prática os princípios de um estilo de vida alternativo e mais amigo do ambiente: tomadas de decisão por consenso, reciclagem de lixo, refeições vegetarianas, uso de energias alternativas sempre que possível. É proibida a utilização de produtos não ecológicos (sabão, champô, etc) dentro do acampamento. Durante as 2 semanas, @s ecotopian@s podem participar em acções de voluntariado na zona, tentando envolver as pessoas locais em questões ambientais, e capacitando organizações locais.

[Localização]

Aljezur está a 250km a sul de Lisboa, 110km de Faro, capital da região do Algarve e a 30km de Lagos, a cidade mais próxima. Aljezur, vila com cerca de 2700 habitantes, fundada pelos Árabes no século X, situa-se na região do Algarve em pleno Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina. O concelho de Aljezur caracteriza-se por uma ocupação humana dedicada à agricultura tradicional (batata-doce e amendoim são culturas típicas na região); por uma paisagem onde dominam as falésias, as areias límpidas e as dunas, assim como o pastoreio de gado bovino. Caracteriza-se também pela sua riqueza arqueológica e histórica.

[Economia Alternativa]
O Ecotopia funciona no sistema de ecotaxas - um sistema económico alternativo baseado no padrão de vida e rendimento médio de cada país, em vez de baseado nos mercados financeiros, o que significa que cada um no Ecotopia paga pela comida o mesmo que pagaria no próprio país.

[Participa]
Esperamos que toda a gente interessada contribua promovendo oficinas, apresentações, debates e planos de acção sobre migrações ou qualquer outro tópico interessante ou relacionado com ambiente. Grupos e individuais são encorajados a apresentar o seu trabalho, assim como criar redes e planear reuniões durante o Ecotopia.
Se pensas participar no Ecotopia por favor regista-te
online, e se pensas organizar uma oficina preenche registo de oficina.

Todos os anos, antes do começo do Ecotopia, há um acampamento de preparação para construir as infraestruturas para o acampamento. Este ano decorrerá entre 23 de Julho e 4 de Agosto. Terás a oportunidade de trabalhar e aprender a montar duches, casas de banho secas, cozinha, sombras, a construir com fardos de palha, reconstruir casas em taipa, fornos de pão, tratar da horta ou decorar o local. Se estás interessad@ por favor menciona isto na ficha de inscrição.

Traz os teus projectos, ideias, creatividade e tenda para o Ecotopia!!!

Mais info em www.ecotopiagathering.org/

EYFA & GAIA
ecotopia@eyfa.org
www.gaia.org.pt
www.eyfa.org

terça-feira, julho 24, 2007

Livros gratuitos úteis

Vejam ao lado dos posts, uma lista de livros gratuitos para fazer download.
Acrescentei inicialmente um livro prático de curas naturais e os três livros do conversas com deus.
Em breve acrescentarei mais.
Viva a partilha :-)

segunda-feira, julho 23, 2007

Vencer o Medo

"Nego submeter-me ao medo,

Que tira a alegria da minha liberdade,
Que não me deixa arriscar nada,
Que me torna pequeno e mesquinho,

Que me amarra,
Que não me deixa ser directo e franco,
Que me persegue,

Que ocupa negativamente a minha imaginação,

Que sempre pinta visões sombrias,

No entanto, não quero levantar barricadas por medo do medo.

EU QUERO VIVER, não quero encerrar-me.

Não quero ser amigável por medo de ser sincero.
QUERO PISAR FIRME PORQUE ESTOU SEGURO.

E não quero encobrir o meu medo.

E quando me calo, quero fazê-lo por amor,

E não por temer as consequências das minhas palavras.

Não quero acreditar em algo por medo de acreditar.

Não quero filosofar por medo que algo possa atingir-me de perto.

Não quero dobrar-me, por medo de não ser amável.

Não quero impor algo aos outros, por medo de que possam impor-me algo a mim.

Por medo de errar não quero tornar-me inactivo.
Não quero voltar para o velho, o inaceitável, por medo de não me sentir seguro no novo.

Não quero fazer-me de importante por medo de ser ignorado.

POR CONVICÇÃO DE AMOR, quero fazer o que faço e deixar de fazer o que deixo de fazer.

Do medo quero arrancar o domínio e dá-lo ao amor.

E QUERO CRER NO REINO QUE EXISTE EM MIM ."

Rudolf Steiner

quinta-feira, julho 19, 2007

Ask and it will be given
The book of Law of Attraction

This book tells us about the Law of Attraction. In the book, very useful meditative exercises are given. There are 22 in total. This was the book on which was based the secret movie and book, and tells us how we attract and manifest things in life, based on what we are thinking.

We describe herein some of them and later we will post the following others. The book also states we go on in life through an emotional scale, by which emotions works as signals to tells us if our thoughts or decisions are to provide us well-being or not. So, if you tune into bad thinking, you will feel bad because you would create something less desirable if you continue with that that you are thinking. On another way, you will feel happy, if you endure in good feelings and thoughts which by its own ways, will add to create even more good things.

At last, the emotional scale, on which the book has its basis is based from the most joyful and positive states to the most desperate and negatives states. The exerciss help us lift on the emotional scale to a more joyful condition. They tell us of advices to create more happy emotional states, good thinking and thus attract the things we really desire.

Exercises:
Manifesting abundance, joy and happiness

1. The rampage of appreciation: when you want to make of a good time an even better time! Start by seeing a very pleasant thing that it really makes you feel good in the moment. Choose easy immediate things, this is not about finding difficult things. Notice to cookie that you eat, then you really focus your attention into a higher vibrational state, you look into another good thing. For example, “I love this new car, this new highway is wonderful, even thou is raining, I’m having a very good time” You will slowly increase even more your vibration.
2. The magical creation box: just make a box, a very beautiful and artistic one. Fill it with joy. Just think that this will be a magical box that everything you will put there, it will manifest, give or take some time. Put photos from your dream house, a distant voyage, a love-letter to your future sweet, accomplishments… Alternatively, you may make like me, a board of gratitude, thanking for all the things on your life you have already partially accomplish, or you are on its way, and want to further manifest. I put there photos, intentions, future dreams (job, relationships, new home)…
3. The creative workshop: (when you want to focus on those important areas of your life, you want more control on them, or you want to improve the art of allowing for even better things may come to yourself) begin with a piece of paper and four categories, myself/my body, my home, my relationships, my work. Write something life “I want to spend more time together, I want to have more fun together”, etc. Write about four topics for each session, for more significant things on your life. Then write for each the reasons why you want those things, for example “I want to have more fun together, because I love laughing, because it having fun feels so good”. This exercise performed better when writing it alone and quietly, can also be doing in though while walking. It will lift those areas of your life, even lessening the resistance to obtain those results.
4. Virtual reality: (when you feel good and want to practise allowing, you have extra time for pleasure things) realize that the process of the law of attraction of things on your life works in three steps: 1) ask (this is easy, you are doing it all the time), 2) answer (not your work, the universe will always reply to your wishes and aspirations), 3) allow (a very different thing from asking, it is the state or mode of allowing receiving). Realize that frequently you pray or wish for things in a state that is not conductive to receive, but is more a match for lack of that thing. You shall realize that you do not fail on the ask step, you do it all the time, consciously or unconsciously. It is the receiving mode that requires real work. You personally should relax and not be so hard when feeling negative things. Those only teach you that some adjustment is require in order to shift your state and your life into a harmony way. If you feel now in a state of definitely not-feeling good we recommend you the exercise of meditation instead.
5. The prosperity game: this is intended specially for increasing your financial perspective and the things you may own or the security you may own, on your life. Start by setting a virtual bank account to yourself. An unlimited one, with unlimited credit. On the first day, you get 1000$ you spend and you have to create a small list with your wishes to spend on. On the second day, you get 2000$ and you do the same. On the third day, you get 3000$ and you detail your beauty wishes again. You go on and on like this. You try to visualize (actually feel) that really fantastic thing you choose. Try to not skip the list when the given value gets very high. You shall, through this process, soften the perspective you have on the energy of money and the energy of negating getting.
6. The process of meditation: try to meditate (not actually stop the thoughts or sensations, but let them run free and without attaching or forcing anything, and without choosing to identify with any of those). Do this 5-15min on a day. Not more than that as a start, and preferably on a nature, open spot.
7. Evaluating dreams: dreams are often previews of the future, based on your present and the perspective on your past and your future. It tells you not what will happen, but what would happen if you keep those emotions, those wishes, those thoughts, those conscious and unconscious things. It therefore works as a valuable tool for analysis if you are headed into the right direction. If you dream about an area of your life bad, just acknowledge you ought to create a more positive perspective/feeling for that.
8. The book of positive aspects: choose a very beautiful book to write on, set 20min per day for it, not more. Next at the top start, start with something or someone that you really.

9. Scripting
10. The place mat process
11. Segment intending
12. Wouldn’t be nice if…?
13. Which though feels better?
14. The process of clearing clutter, for clarity
15. The wallet process
16. Pivoting
17. The focus wheel process
18. Finding the feeling-place
19. Releasing resistance to become free of debt
20. Turning it over to manager
21. Reclaiming one’s natural state of health
22. Moving up the emotional scale

Emotional scale:
Our emotional signpost

Joy/Appreciation/Empowered/Freedom/Love
Passion
Enthusiasm/Eagerness/Happiness
Positive Expectation/Belief
Optimism
Hopefulness
Contentment
Boredom
Pessimism
Frustration/Irritation/Impatience
Overwhelment
Disappointment
Doubt
Worry
Blame
Discouragement
Anger
Revenge
Hatred/Rage
Jealousy
Insecurity/Guilt/Unworthiness
Fear/Grief/Depression/Despair/Powerlessness

segunda-feira, julho 09, 2007

Uma iniciativa que achei um espectáculo.
O Live Earth :-)

E no mesmo dia, a Assembleia da Républica Portuguesa decidir abordar o assunto de tentar ser carbono-neutra, no que toca às suas emissões!

Agora sim, os povos começam a tornar consciente do ambiente.
Espero também que tomem intenção de elevar as suas consciências também, na procura de mais amor, mais felicidade, mais entreajuda, e mais pensamentos positivos e de harmonia. Sem nos estarmos a queixar dos problemas, mas sim a sentir os nossos corações e viver radiantes a nossa vida e assim espalharmos a sementinhas aos que nos rodeiam.

O facto de o livro O segredo estar em primeiro lugar dos tops da Bertrand, cá, também é outro sinal muito positivo. Já falei aqui no blogue sobre o seu prínicipio, a lei do universo em foco no livro. No livro o assunto é abordado de uma forma mais popular e mais fácil para as grandes massas.

Sejámos amigos do ambiente sem sermos extremistas e apontarmos mais os problemas em vez das soluções e da acção. Ser positivo e em Amor é a melhor opção que se possa ser, seja pelos outros, seja pelo planeta.

Por último, não se trata de ser místico, nem irrealista, nem sonhador. Trata-se de abrir os olhos para a realidade. Para a felicidade e para a harmonia das coisas.

O que podemos fazer nós pelo ambiente?

Com mais impacto, será: evitar transportes pessoais e avião, em opção dos públicos, especialmente comboio ou metro, ou bicicleta/andar a pé

Evitar construção exagerada nas cidades e promover os espaços verdes

Reduzir ao consumo nas nossas vidas, reduzir às indústrias poluentes ou de poluição química

Em casa, promover práticas ecológicas, seja em alimentação (menos processada, menos plásticos, menos carnes e peixes para evitar práticas menois ambiuentais desses alimentos), poupança de energia e água, ou tratamento de lixos (como reciclagem ou compostagem)

Políticamente, promover medidas mais cautelosas e para ajudar o planeta no que toca à energia, água e recursos (por exemplo, promover energias limpas, poupar recursos, preservar florestas com diversidade, proteger os rios e promover a todo o custo a sua limpeza e transparência, aproveitar energias como a das marés ou geotérmica, do calor do planeta, do subsolo)

domingo, julho 08, 2007

felicidade


A Felicidade atinge-se em casa momento.
A Felicidade constrói-se através de uma quietude interior.
A meditação é uma quietude instrínseca.
Essa quietude é o não pensar no passado ou esperar pelo futuro.
É o focalizar no aqui e agora.
Só acontece quando largamos o passado e deixamos de sonhar com o futuro.
Quando paramos de pensar, possuímos o tempo e atingimos a felicidade e o infinito. Nessa altura o pêndulo da mente deixa de balançar de um lado para outro e alcança um ponto de felicidade suprema onde vivemos o momento presente.

sábado, julho 07, 2007

Usar uma nova versão do Google, mais amiga do ambiente

http://blackle.com/

Dado que o google com o ecran preto consome menos energia do seu monitor.
De qualquer modo, acho que a medida não é em si muito relevante.

terça-feira, junho 19, 2007

"O Mestre e o Escorpião"...

"Um Mestre Oriental viu um escorpião que se estava a afogar, e decidiu tirá-lo da água mas quando o fez, o escorpião picou-o. Como reacção à dor, o Mestre soltou-o e o animal caiu à água e de novo estava a afogar-se.
O Mestre tentou tirá-lo outra vez, e novamente o escorpião picou-o.
Alguém que tinha observado tudo, aproximou-se do Mestre e disse:
- Perdão, você é teimoso? Não entende que de cada vez que tentar tirá-lo da água será picado pelo escorpião??!
O Mestre respondeu:
- A natureza do escorpião é picar e isso não muda a minha natureza, que é ajudar.
Então, com a ajuda de um ramo, o Mestre retirou o escorpião da água e salvou-lhe a vida."

Aprendi com esta história que é importante não mudarmos a nossa natureza se alguém nos magoar. Tomemos apenas as devidas precauções para que não sejamos magoados da próxima vez.

segunda-feira, junho 18, 2007

Conversação sob a vida após a morte (ups, desculpem, após o nascimento)

An unborn couple of twin’s conversation in the womb of their mother.

“Say, do you actually believe in life after birth?“ the one twin asks.
„Yes, definitely! Inside we grow and are prepared for what will come outside“, answered the other twin.
“I believe that’s nonsense!“ says the first. “There can’t be life after birth – what is that supposed to look like?“
“I don’t exactly know either. But there will certainly be much more light than in here. And maybe we will be walking about and eat with our mouths?“
“I’ve never heard such nonsense! Eating with the mouth, what a crazy idea. There is the umbilical cord that nourishes us. And how do you want to walk about? The umbilical cord is much too short.“
“I am sure it is possible. It’s just that everything will be a little bit different.”
“You are crazy! Nobody ever came back after birth. Life is over with birth, That’s it.“
“I admit that nobody knows what life after birth will look like. But I do know that we will see our mother then, and that she will take care of us.“
“Mother???? But you don’t believe in a mother, do you? Where is she?“
“She is here, all around us. We are and we live within her and through her. Without her we couldn’t exist at all!“
“Nonsense! I’ve never sensed a mother, consequently she doesn’t exist.“
“Yes, sometimes, when we are very quiet you can hear her sing, or feel how she caresses our world.“

terça-feira, junho 12, 2007

8 de junho | dia da acção directa pela justiça climática

quarta-feira, junho 06, 2007

Sentir o amor no momento presente

Independente de todos os problemas que possam haver
Independente de todas as mudanças que possam ocorrer
Sentir o amor, potencial de amor, em cada momento é a coisa mais importante que possámos fazer

É um verdadeiro caminho para a felicidade, para a paz interior
Para o nosso propósito espiritual ou filosófico
É a maior contribuição que podemos fazer

Seja a lavar pratos, a conversar com um amigo ou colega de trabalho, ou a andar no autocarro, este tornar consciente do amor e tentar que ele se manifeste, é a maior dádiva que podemos realizar
Sobretudo, é um acto que toca o espírito em todas as vertentes
Toca o nosso e o espírito de todos e de tudo...

domingo, junho 03, 2007

Plantar :)




Com a ajuda dos amigos... sobretudo da Teresa. Aqui estão as nossas plantinhas e ervas aromáticas. Temos salva, tomilho, limonete, hipericão... e o aloe vera que a Manuela nos trouxe, que está a dar muitos filhotes :)

sexta-feira, junho 01, 2007

Meditação dos quatro elementos



primeiro encontre um local calmo e relaxe. Coloque de pés descalços, com as mãos assentes nas ancas de pernas abertas em pé.Imagine-se que as suas pernas e pés enraízam bem para dentro da terra. limite-se a observar e a sentir. respire fundo e pausadamente esta é a energia do elemento terra e do planeta, a energia da pertença

depois de uns minutos nesta meditação, tente sentir o elemento água. visualize água, tocar nesta, encontre-se no mar de pés descalços e sinta a água a bater-lhe nos pés. sinta que também é constítuido por 80% de água; sinta essa água dentro de si, sinta o seu corpo, as sensações e emoções. sinta a água no ar especialmente se estiver perto de muita vegetação, água ou um dia nublado.

depois, uns minutos mais tarde, sinta a energia do elemento ar. relaxe e sinta o vento e o seu movimento, sinta esta energia a percorrer-lhe o corpo e transmitir-lhe flexibilidade. sinta o ar e as suas vibrações...

depois sinta a energia do fogo. sinta a sua energia, sinta a energia fogo que lhe rodeia e tente sentir a energia do sol, mesmo que tenha que sentir para lá das nuvens ou para lá do planeta. sinta este calor e imagine fogo. sinta o movimento e inspiração que surge deste.

relaxe e volte a sentir-se a terra. inspire e expire fundo e terminou esta meditação. vá dar um passeio lá fora se é que já não está fora de casa.

Talvez queira visitar também o nosso blogue

quinta-feira, maio 31, 2007

"Em Busca da Felicidade", a partir de hoje em Lisboa

Inicia-se hoje, em Lisboa, na Culturgest, um ciclo de Conferências sobre o tema da Felicidade. Uma reflexão multidisciplinar, que nos pode ajudar a entender este 'tema' tão ancestral na história da humanidade. Partilho convosco o texto que recebi por mail sobre este evento. A entrada é livre!
Possa este evento, na partilha do conhecimento, aprendendo uns com outros, contribuir para as causas da Felicidade e para a Felicidade de todos os Seres.

"As sociedades ocidentais contemporâneas têm na sua génese projectos que inscreveram entre os seus objectivos principais o desígnio de se organizarem na perspectiva da “felicidade dos povos”. Esta vontade, desde sempre associada à ideia de Progresso, foi um factor decisivo no desenvolvimento das sociedades que hoje conhecemos, mas a noção de “felicidade”, tal como a encontramos inscrita na Revolução Francesa e Americana, tem-se transfigurado a ponto de hoje nos podermos questionar sobre o sentido contemporâneo da ideia de felicidade. Esta interrogação passa por identificar – e reflectir sobre – as condutas, as aspirações e os imaginários que movem os indivíduos e as sociedades nos dias de hoje na perspectiva de discernir o que significa contemporaneamente “ser feliz”.Nessa busca haverá que auscultar as diversas dimensões desse “ser contemporâneo” – política, cultural, cientifica, espiritual, etc. – e tentar perceber também como se posiciona este imaginário ocidental face a outras culturas e tradições.Para debater estas problemáticas contamos com um conjunto de oradores nacionais e estrangeiros entre os quais se destacam o historiador Darrin McMahon, da Universidade da Florida (EUA), autor do recente The Pursuit of Happiness, livro que traça os conceitos de felicidade da Antiguidade até aos nossos dias; o psicólogo Daniel Gilbert da Universidade de Harvard (EUA) que publicou em 2006 o muito publicitado livro Stumbling on Happiness sobre a investigação contemporânea nesta área; o sociólogo Gilles Lipovetski (França), autor do recente ensaio Le Bonheur Paradoxal, que se centra no estudo das relações do consumo com a felicidade; e ainda a socióloga e antropóloga Eva Illouz (Israel) da Universidade de Jerusalém, cujo último ensaio, Le capitalisme emotionel, traça uma visão inovadora da contemporaneidade na perspectiva das relações entre a economia e os afectos."

Concepção e Comissariado:
Rui Trindade
Co-produção:
Imaterial – Produção de Ideias / Culturgest

Programa
QUI 31 DE MAIO
Sessão 1A Ideia de Felicidade
10h00/11h00 Darrin McMahon, Florida University (EUA)
11h30/13h00 Daniel Gilbert, Harvard University (EUA)

Sessão 2A Felicidade na Economia
15h00/16h00 Luis Santos-Pinto, Fac. Economia da Universidade Nova de Lisboa (Portugal)
16h30/18h00 Rita Campos e Cunha, Fac. Economia da Universidade Nova de Lisboa (Portugal)

SEX 1 DE JUNHO
Sessão 3A Felicidade das Nações
10h00/11h00 Ruut Veenhoven, Erasmus University of Rotterdam (Holanda)
11h30/13h00 Gilles Lipovetsky, Université de Grenoble (França)

Sessão 4 Ideias Felizes
15h00/16h00 Sadaffe Abid, Kashf Foundation (Paquistão)
16h30/18h00 Miguel Alves Martins / Frederico Rauter, BeyondPortugal (Portugal)

SÁB 2 DE JUNHO
Sessão 5 O Futuro da Felicidade
10h00/11h30 Portugal e a Europa
Painel com João Ferreira de Almeida (ISCTE), José Luís Pais Ribeiro (Universidade do Porto),
Nuno Nabais (Fac. Letras Lisboa) e Isabelle Earle (Reino Unido)
12h00/13h00 Emotions and Late Capitalism
Eva Illouz, Hebrew University of Jerusalem (Israel)

CONFERENCISTAS
Darrin McMahon • Historiador, Professor na Florida State University (EUA)Autor do livro The Pursuit of Happiness (ed. Penguin, 2006) que a critica elogiou abundantemente(...) Daniel Gilbert • Psicólogo, Professor na Harvard University em Cambridge (EUA) Autor do livro Stumbling on Happiness (ed. Harper Press, 2006) recebido elogiosamente pela crítica (...) recebeu inúmeras distinções, entre elas a American Psychological Association’s Distinguished Scientific Award. Tem colaborado em publicações como o New York Times, Scientific American, Forbes, entre outras. Ruut Veenhoven • Sociólogo e Psicólogo, Professor na Erasmus University em Roterdão (Holanda) Autor de publicações pioneiras no estudo da “felicidade”: Conditions of happiness (1984), Happiness in nations (1993), Happy life-expectancy (1997), The four qualities of life, (2000) e Healthy happiness (2007). Director da World Database of Happiness (http://worlddatabaseofhappiness.eur.nl) e editor do Journal of Happiness Studies (http://www.springer.com). Gilles Lipovetsky • Filósofo, Professor na Universidade de Grenoble (França)Autor com uma extensa obra publicada (A Era do Vazio; O Luxo Eterno, entre outros) o seu último ensaio é uma reflexão sobre a sociedade de consumo intitulada Le Bonheur Paradoxal. Eva Illouz • Socióloga/Antropóloga, Professora na Hebrew University of Jerusalem (Israel) O trabalho desta autora é um dos mais fascinantes da actualidade na medida em que a sua reflexão, fazendo-se no entrecruzamento de várias disciplinas, explora a relação das “emoções” com o “capitalismo” ao longo do século XX. Entre as suas obras mais marcantes contam-se How Culture Works: Therapy, Emotions and Popular Culture (California University Press, Berkeley 2007) e “Emotional Capital, Therapeutic Language and the Habitus of the 'New Man'”, inGotlind B. Ulshöfer, Nicole C. Karafyllis (Eds.), Emotional Intellicence and Elites: Sex, Gender and the Brain (2007). Luís Santos-Pinto • Economista, Professor na Universidade Nova de Lisboa (Portugal)Formado nos Estados Unidos, na Universidade da Califórnia em S. Diego, a área de trabalho do autor é comummente designada por “behavorial economics”, um domínio onde se procura reflectir sobre as dimensões cruzadas da informação, da cognição e da decisão económica. Com trabalhos publicados na American Economic Review e inúmeras participações internacionais (Universidade de Montreal, Universidade de East Anglia, etc). Sadaffe Abid • Directora do Programa de Microcrédito da Kashf Foundation (Paquistão) Uma das mais importantes organizações internacionais no estímulo ao desenvolvimento social e económico dos países pobres, a Kashf Foundation tem em Sadaffe Abid uma das mais eloquentes personalidades nesta área de intervenção. A sua participação no debate prende-se com a necessidade de pensar a “felicidade” também na dimensão da solidariedade. João Ferreira de Almeida • Sociólogo do Instituto de Ciências do Trabalho e da Empresa – ISCTE (Portugal)Com um extenso trabalho de pesquisa desenvolvido ao longo de vários anos (...) José Luís Pais Ribeiro • Professor da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto (Portugal)O autor tem trabalhado em estreita colaboração com Ruut Veenhoven, um dos oradores internacionais convidados, na pesquisa das questões relacionadas com o bem estar subjectivo e a qualidade de vida. David Halpern • Assessor do Primeiro-Ministro Tony Blair. O autor esteve ligado à Cambridge University e ao Policy Studies Institute antes de entrar para a Unidade Estratégica montada no gabinete do Primeiro-Ministro Tony Blair cujo objectivo, entre outros, tem sido o de avaliar o impacto e o potencial dos novos dados da ciência moderna no bem estar e na qualidade de vida dos cidadãos.O autor publicou recentemente um livro intitulado Social Capital (Polity Press, 2005) e participou na conferência de Roma organizada pela OCDE sobre o tema da “felicidade”.

quarta-feira, maio 30, 2007


O próximo dia 31 de Maio, 5ª feira, é um dos dias mais importantes do calendário budista tibetano, comemorando-se a Iluminação e o Parinirvana do Senhor Buda Shakyamuni.



Sendo um dos dias da Roda do Dharma, os efeitos das acções positivas e negativas multiplicam-se imenso e por esse motivo, como habitualmente, será adquirida a maior quantidade possível de marisco vivo para ser libertado e para que o poderoso efeito desta acção seja oferecido para o bem de todos os seres.



Aqueles que se quiserem associar a esta iniciativa podem desde já fazê-lo, entregando o seu contributo na União Budista Portuguesa - Calçada da Ajuda, 246, 1º Dtº, telef. 213634363, www.uniaobudista.pt .
Agradecemos a máxima divulgação desta mensagem.
Pelo bem de todos os seres sensíveis ...

terça-feira, maio 29, 2007

A Rede apela à tua colaboração!


Olá companheir@!

Constituiu-se no Porto e está agora em fase de crescimento, uma rede de pessoas e organizações que se opõem às políticas do G8 e aos impactes ambientais provocados pelas suas decisões ( ou falta delas...).

Esta Rede vem responder ao apelo de acção contra as alterações climáticas lançado pela rede internacional Rising Tide. Vamos levar a cabo uma primeira acção de protesto no próximo dia 8 de Junho, em simultâneo com as Redes G8 de Lisboa e Coimbra e a par de outras em muitos outros países, exigindo Justiça Climática. Vamos contribuir para assinalar esse dia como Dia Internacional de Acção Directa pela Justiça Climática e para o contrapor à Cimeira do G8, que se realiza de 5 a 8 de Junho em Rostock, Alemanha.



Queremos marcar este dia com um protesto bem vivo e por isso apelamos a que «te deixes cair nesta rede» porque estamos certos
que partilhas destes pontos de vista.
A tua participação é importante e podes colaborar de várias formas - pintura, filmagem, representação,
distribuição do nosso manifesto, interacção com a população, bicicletada e o mais que queiras sugerir !
É também fundamental que ajudes desde já a passar a palavra.




O que vamos fazer?
Vamos simular um mercado de direitos de emissão («Outlet do Carbono») onde haverá figurantes a representar cada um dos líderes do G8 a tentar comprar direitos a outros países, ou seja, a «oferecer» gases de efeito de estufa (simbolizados por balões negros «negociados» com quem vai a passar na rua...). Denunciar-se-á localmente um dos aspectos que mais gravemente está a contribuir para esta situação na zona do Porto : o abuso e favorecimento do automóvel privado a par com o desprezo e crescente mau trato dado aos transportes colectivos e aos seus utentes.

Onde o vamos fazer?
Entre o Castelo do Queijo e a marginal de Matosinhos.


Quando?
dia 8, claro, sexta-feira, a partir das 15.00h.



Estamos certos que já te despertamos a vontade de participar, não deixes de te inscrever (nome, email, eventualmente telefone).


Precisamos de tod@s neste evento, precisamos de tod@s para continuar a urdir a Rede.

Rede G8 Porto



Para colaborares e para mais informações contacta:
rede-g8-porto@pegada.net
936333332
966060499
919053035


Para acompanhares estes preparativos visita:

http://www.geoito2007.blogspot.com/

domingo, maio 27, 2007

1992

quinta-feira, maio 24, 2007

Retiro de verão

http://zen-pt.blogspot.com/2007/05/retiro-de-vero.html

terça-feira, maio 22, 2007

Dar coisas, circular coisas

Ola!

Dois movimentos em Dublin que me parecem muito interessantes:

http://freecycle.org/ (e' tambem um movimento internacional)

http://www.jumbletown.ie/forums/index.php

2 sitios onde se pode dar e receber coisas de graca. Ja ando a experimentar! Parece-me uma ideia excelente. Sabem se em Portugal ha' algo do genero? Se calhar e' altura de comecar, nao?... :)

Os três saltos de coragem

*

" imagina isto amigo
imagina que nao tens ideia nenhuma dos teus sonhos
que nao tens nenhuma ideia do que é dificil ou fácil
que nao tens nenhuma rebeldia ou julgamentos das coisas

imagina que nao houves falar de nenhum desemprego ou teorias sejam do que for
mas imagina que estás no sítio onde estás agora, a fazer seja o que for que estás a fazer
imagina isso!

o que sentes que queres então fazer?
isso é verdadeiro!

eu bem sei o que quero... e esse é o primeiríssimo passo!

o segundo é um salto de fé

e o terceiro é uma celebração "


Em qualquer dos casos, os nossos sonhos começam simplesmente com ideias.
depois, basta uma boa dose de clareza, coragem e decisão, e sobretudo acreditar.
deixar que as coisas aconteçam e deixar as coisas fluir, sem apegos ou preocupações
depois basta sorrir e agradecer...

*

sábado, maio 19, 2007

formação e jantar biológico!


Se queres saber mais sobre agricultura biológica e outras formas de cultivo mais em harmonia com a natureza, aparece na próxima terça-feira, dia 22, no 555 (Rua do Almada), pelas 19h.

A palestra terá a participação de uma finlandesa especialista na área e do
Projecto Raízes, que comercializa no porto produtos hortícolas de produção biológica.

Segue-se um jantar com ingredientes biológicos, às 21h!
Para o jantar convém haver inscrição (não vamos desperdiçar comida tão boa pois não?)
e o preço é 5€/prato.

Inscrições e dúvidas:

porto@gaia.org
936333332

terça-feira, maio 15, 2007

Prosperity game

Muitos de nós temos talvez experiências que estão longe de ser as ideais no que toca à nossa relação com aquela coisa chamada dinheiro.
É certo que como muitos de vocês, concordo que o ideal seria a utopia bla bla bla de vivermos numa sociedade em que não existisse dinheiro e tudo fluísse mais naturalmente.
Menos materialista até.
Mas visto que vivemos *nesta* sociedade, apresento aqui uma sugestão de um jogo para elevarmos as ideias e noções que temos em relação àquela energia de troca que é o dinheiro. Na Na prática o jogo assenta no pressuposto (e peço-vos apenas para considerarem tal por uns minutos, mesmo que não concordem) que aquilo que nós pensámos e desejámos atraímos para a nossa experiência de acordo com a nossa consciente ou inconsciente aceitação.

Como jogar?
O jogo começa por imaginarmos um crédito virtual, podem usar um bloquinho de notas para o efeito, em que num primeiro dia depositámos 1000 Euros e teremos que usar o bloco para gastarmos o dinheiro todo nesse primeiro dia, no segundo depositámos mais 2000 Euros e gastamo-los nesse dia, no terceiro 3000, no quarto 4000 e assim sucessivamente.
Deste modo, o entusiasmo do jogo é levantarmos as nossas baixas vibrações no que toca ao uso do dinheiro e do sentido de o ter ou não ter. Também nos obriga a puxar pela nossa imaginação, algo que nós normalmente não fazemos, pois até podemos ter 1000 euros mas só os vamos gastar em coisas usuais ou banais, e não seria um melhor propósito gastar de um modo mais alegre, mais animado, mais espiritual e até de mais alta vibração.

Visto que ao final duns dias vamos insistir naturalmente em certos desejos e sonhos que temos muito em consideração, vamos começar a emanar esse desejo recorrentemente ao universo e assim, naturalmente vamos ter tendência a atraí-lo. Com o acrescento que, como nos encontrarmos num estado mais alegre e optimista visto o crédito ser ilimitado, vamos atrair essas coisas mais facilmente.

Bem, decidi começar a experimentar. É o típico exemplo que não perco nada e pode ser que realmente comece a ter mais sonhos a tornar-se verdade. E digo-vos, o jogo anima-vos imenso só pelo simples uso excessivo da imaginação, capacidade de acreditar e de manifestar alegria!!

http://www.choosingprosperity.com/game/
O jogo é original dum fabuloso livro que comecei a ler (sobre como chegar mais facilmente à abundância e ser feliz) que "chegou" até mim no último fim de semana
Divirtam-se!

The Beauty of Permaculture

Clicar em cada imagem para ampliar.






Para quem estiver interessado irá haver brevemente mais cursos e actividades relacionados com a Permacultura. Por favor seguir este link
Próximo curso, prazo de inscrição: 19 Maio

quinta-feira, maio 10, 2007

cidades sustentáveis






Criar Cidades Sustentáveis«as cidades são sistemas cujo funcionamento deve imitar os sistemas naturais: devemos fazer tudo o que pudermos para criar cidades que sejamcompatíveis com os próprios ecossistemas da natureza, e para isso temos que garantir que, tal como as florestas ou os recifes de corais, elas adoptem deliberadamente um metabolismo circular, produzindo apenas resíduos quepossam ser beneficamente reabsorvidos pela natureza.»



Transformar a Economia e Criar Cidades Sustentáveis são duas aliciantes propostas lançadas, respectivamente, por James Robertson e Herbert Girardet.

Na próxima segunda-feira, 14 de Maio, o Porto terá oportunidades para pensar o futuro e debater a economia através do lançamento das duas edições Transformar a Economia - Desafio para o terceiro milénio, de James Robertson, e Criar Cidades Sustentáveis, de Herbert Girardet.



James Robertson aponta medidas para construir um mundo saudável, identificando caminhos rumo à transformação da alimentação, dos meios de subsistência, do desenvolvimento local, das viagens, energia, saúde, etc. Lança ainda questões inovadoras sobre impostos e tributação para uma economia mais sustentável.


Com o apoio do projecto cidadessustentaveis.info Transformar a Economia - Desafio para o terceiro milénio é “uma tese simultaneamente visionária e prática sobre a economia sustentável para o século XXI”




Estas duas primeiras edições da série Cadernos Schumacher para a Sustentabilidade serão apresentadas num debate alargado ao público nas seguintes cidades:

Braga - dia 12 de Junho, às 21:30 na Casa dos Crivos;

Vila Real - a 15 de Junho;

Coimbra - 18 de Junho, 21:30, na Casa da Cultura;

Lisboa - 25 de Junho, às 18:00, na sededa Associação Nacional de Direito ao Crédito, na Praça José Fontana, 4-5.ºandar, às Picoas

Porto - 14 de Maio, 18:00, na Escola Superior deBiotecnologia, frente ao ISEP, Metro Pólo Universitário~


Ver também: