O que é o Consciência Social?

É um blogue que convida todos à aberta discussão de temas relevantes para o desenvolvimento pessoal e de maior consciência social. Encontre temas ligados ao ambiente, práticas ecológicas, soluções de sustentabilidade, espiritualidade, iniciativas sociais e muitas novas ideias! Comenta! Partilha!

terça-feira, março 11, 2008

Amor: emoção que cura


só se ama o que se tem e não o que se deseja
Amar é: dedicar uma parte de nós, ultrapassar o medo e o estado de egoísmo infantil.
Todos os seres precisam de amor. O amor tem a ver com ser-se dedicado e delicado. Virarmo-nos para o outro.
Aprende-se a amar
O amor aprende-se. Aprendemos a amar na família, com os pais e os irmãos, que são os primeiros rivais e com os amigos. As primeiras relações não são escolhidas, as outras sim. Qunado nos zangamos com os pais temos a segurança de saber que não podemos desfazer esses laços. A dois aprendemos a gerir os impulsos agressivos. A liberdade é maior, mas o risco é maior também.
O amor a dois aprende-se a dois.
Para Jorge Bucay, “necessitamos do amor (tanto amar como ser amados), mas também é certo que se aprende a amar sendo amado e que se melhora a ‘qualidade’ e a maturidade da nossa forma de amar com a experiência vivida”. “É o verdadeiro motor das relações interpessoais e, para muitos de nós, o sentido último da essência social da humanidade”, comenta Jorge Bucay.
O amor é uma iniciação à sabedoria na visão de Platão. Não somos fiéis connosco próprios se não nos deixarmos amar.
O filósofo Martin Buber define o amor como ‘não-morte’. Justifica em latim como ‘a-mor’, se entendermos o ‘a’ como prefixo negativo de ‘mor’ (morte). Assim para Buber dizer ‘amo-te’ equivale a dizer ‘não morrerás’, quer dizer que o amor é ‘eterno’. Sem amor morremos.

3 comentários:

sa.ra disse...

belíssimo e essencial!

beijinho

dia muito feliz, cheio de amor!

ISABEL Mar disse...

obrigada :)
pa mim é só através do amor que se consegue chegar à essência, ao que há de mais puro no ser... na via budista o amor é um caminho para a transcendência humana, - mesmo incluindo-se nesta definição de amor o amor carnal -por isso há tantos sutras budistas dedicados e ao sexo tântrico (fico triste por ver banalizada esta tão sublime forma de fazer amor... enfim... nem todos banalizam o amor...

mta luz pa ti
:)

solquartocrescente disse...

Sim Isabel concordo de inteiro contigo.
É bem cá dentro do coração que irradia a luz e a beleza humana, que nos une e nos cria.
Enfim, acho que se trata apenas de sentir compaixão, amor, paz, primeiro antes de nos adormecermos na rotina, no trabalho, na banalidade e ou nos desejos meramente físicos.

Muito amor e alegria para ti também!